segunda-feira, 2 de abril de 2012

Dragões

O meu neto tinha os dragões cuspidores de fogo como monstros reais já extintos e foi-me difícil convencê-lo (será que consegui?) da sua nunca existência. Expliquei-lhe que os dragões são animais mitológicos, porque, ao contrário do que acontece com os dinossauros, a ciência não confirma que tenham existido. Esta conversa fez-me pensar no seguinte: Acho lógico que não se acredite na existência de dragões cuspidores de fogo, porque tal não é confirmado pela ciência, mas não compreendo como há pessoas religiosas, deístas, que não acreditam, se a sua existência está confirmada nas escrituras que consideram sagradas e como tal verdadeiras.
Entre outras referências a monstros, há na Bíblia (Jó 41:10-21), a seguinte descrição do dragão Leviathan: Os seus espirros fazem resplandecer a luz, e os seus olhos são como as pestanas da alva. Da sua boca saem tochas; faíscas de fogo saltam dela. Dos seus narizes procede fumaça, como de uma panela que ferve, e de juncos que ardem. O seu hálito faz incender os carvões, e da sua boca sai uma chama.
Curiosamente este dragão bíblico não é apresentado como um ser maligno, mas sim como uma criação de Deus. Enquanto os dragões nas histórias do cristianismo representam a maldade. Como é o caso do dragão que foi morto por São Jorge, que se alimentava de jovens virgens até ser derrotado pelo santo guerreiro.

Sem comentários:

Enviar um comentário